“L´Énergie vagabonde”
29 de janeiro de 2021
1) Por que filô com vinho
30 de janeiro de 2021

Populismo

Em tempos de Donald Trump e outros, talvez possamos pensar o populismo a partir de textos mais sóbrios, como o Górgias, de Platão.

Nesse texto, ele distingue retórica de política, para discutir se um candidato do povo é um candidato populista e, sobretudo, em nome do que, numa democracia, se pode contestar o julgamento da maioria.

No diálogo, Sócrates, Górgias e o outro sofista, todos concordam que a palavra tem o poder de persuadir juízes no tribunal, senadores no Conselho, cidadãos na Assembleia do povo, assim como tem o poder de transformar o senhor em escravo e também o de dominar o dinheiro.

Ou seja, a retórica é, incontestavelmente, a primeira das artes de combate, como atesta o Twitter de certos governantes.

Todavia, se o orador sabe produzir credibilidade, nem por isso se mantém próximo do que se define como justo e injusto, pois a técnica da retórica se baseia no agrado. Ela está para a política como a confeitaria está para a medicina : não tem nenhuma preocupação com o que venha a ser o bem e não faz outra coisa a não ser atrair pela loucura, pelo afã de sentir prazer.

Dessa forma, diz Platão, podemos deduzir que se as crianças pudessem escolher o que comer, elas confiariam mais no confeiteiro do que no médico.

E o populismo não passa, digo eu, de distribuir creme chantilly para quem já é gordo !

Marly N Peres

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *