So very british
30 de janeiro de 2020
Sonífero
30 de janeiro de 2020

Sobre as águas

Bertrand Russell (1872-1970), o filósofo, lógico e matemático que recebeu o Nobel de Literatura em 1950, declarava ser inimigo das superstições e fez de tudo para combatê-las.

Prêmio sem dúvida merecido. Russell escrevia e pensava com a clareza dos raros. Mais fascinante e necessário do que seu História da Filosofia ocidental, só mesmo seu brilhante História do pensamento ocidental.

Outra virtude dele era o humor. Apesar de ser frontalmente contra toda forma de superstição, chegou a escrever em seus Ensaios impopulares que em certas ocasiões elas trazem alegria. E contava alguns casos divertidos.

O preferido era sobre uma profetisa que vivia no estado de Nova York. Em 1820, ela anunciou aos seus muitos discípulos que tinha o poder de andar sobre as águas. No dia e hora marcados, os fiéis se reuniram à margem do lago. E ela se dirigiu a eles dizendo :

– Vocês estão todos plenamente convencidos de que sou capaz de caminhar sobre as águas ?

– Sim, estamos.

– Nesse caso, não é preciso que eu prove.

Alguns cristãos dizem ter certeza da ida para o céu depois que morrerem. Essa certeza deveria provocar a perda total do medo da morte. Ora, esse temor parece ser instintivo no ser humano, dizia Russell, pois somos todos imunes aos ditames da teologia.

A esse respeito, ele contava que um dia, ao perguntar a uma mulher extremamente crente qual teria sido o destino da alma da filha dela recém falecida tinha ido parar, a mulher respondeu :

– Suponho que esteja gozando da eterna bem-aventurança, mas eu prefiro não falar de coisas desagradáveis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *